Estudo e experimento químico: O Fermento | Pré II

Uma das partes mais legais e divertidas das aulas é quando podemos colocar em prática o conteúdo absorvido através das experiências. Os alunos não vêem a hora de realizá-las e quando o fazemos, como podem ver, as carinhas são só felicidade.

Nesta aula das turmas do Pré II, estávamos aprendendo sobre o uso do fermento e os ambientes propícios para que este consiga fazer seu trabalho. O fermento não é um reagente químico, mas trata-se de um microrganismo unicelular que deve ser bem tratado para poder fazer seu trabalho: apenas se tiver comida suficiente e uma temperatura ambiente confortável, ele produzirá essas bolhas de gases que tornam o pão tão macio. E para experimentarmos isto, utilizamos copos, fermento biológico seco, açúcar e água morna e quente (acima de 65˚C).

Foram despejadas nos copos uma colher de sopa de fermento biológico e uma colher de sopa de açúcar. Após, em cada copo, foram colocadas água morna e água quente, onde pudemos analisar que com o efeito das altas temperaturas, as reações químicas foram mais rápidas, ou seja, borbulharam mais depressa, assim como terminaram mais depressa, enquanto na água morna o processo foi retardatário num todo. Quanto ao açúcar, vimos que, graças a este, o fermento tinha do que se alimentar, por isso houve bolhas, caso contrário, o fermento não teria do que se alimentar e, portanto, não reagiria.

Ansiosa pelo nosso próximo experimento químico!

Teacher Cami.

 

 

Chemical Experiment and Study: Yeast

One of the coolest and funniest part in the classes is when we can put into practice the content absorbed through experiences. Students can barely wait to do them so when it happens, as you can see, their faces are total happiness.

In this kindergartens II class, we were learning about the use of yeast and the enabling environments for it to do its job. Yeast is not a chemical reagent, but it is a single-celled microorganism that must be treated well to be able to do its job: only if it has enough food and a comfortable ambient temperature, it will produce these gas bubbles that make bread so soft. And to try this, we use glasses, dry yeast, sugar and warm/hot water (above 65˚C).

A tablespoon of biological yeast and a tablespoon of sugar were poured into the glasses. Right after, in each cup, warm water and hot water were placed, where we could analyze that combined with the effect of high temperatures, the chemical reactions were faster, they bubbled faster, as well as they finished reacting more quickly, while in warm water the whole process was delayed. As for the sugar, we saw that, thanks to it, the yeast had something to feed itself, so there were bubbles, or else the yeast would have nothing to feed on and, therefore, would not react.

Looking forward to our next chemical experiment!

Leave a Reply

Open chat